sexta-feira, 24 de maio de 2013

DICAS DE LOCUÇÃO COM EXERCICIOS



Pequenas dicas para melhoria da fala na locução


Qualquer pessoa que se pré-dispunha a trabalhar seriamente para melhorar o seu jeito de falar, independente do motivo que a levou a buscar esse crescimento, deverá ter em mente que a melhora não se dá do dia para noite, mas é sim, uma evolução a llongo prazo, alcançada dia a dia, com muita percistência, tornando mais recompensadora a conquista, para aqueles que empreghem muita dedicação e empenho em busca de atingir seu propósito.
Como eu já devo ter escrito em algum lugar, qualquer pessoa que deseje ser um bom locutor, deverá trabalhar duro para usar todas as potencialidades de seu aparelho fonador, a fim de quando estiver fazendo locução, falar bem e sem esforço, experimentando um grande prazer no ato de falar.
Além das brincadeiras com trava-línguas que indiquei noutra seção desse site para ajudar na melhoria da dicção, vou indicar aqui, mais alguns exercícios que muito poderão ajudar numa boa pronúncia de grande parte dos encontros+consonantaisencontros consonantais mais difíceis para quem fala português. 
Continuo aconselhando fortemente, que todos os exercícios que indico, sejam feitos em grupo, quando não supervisionados por profissional especialmente treinado para esse acompanhamento, para que se evitem exageiros que, mais atrapalharão que ajudarão o candidato a locutor. 
Durante esses exercícios, você também poderá morder um lápis ou uma caneta, muito embora, como já disse antes, eu ainda prefira trabalhar com umaRolha+de+garrafa+de+vinhorolha dessas de garrafa de vinho na boca, mantendo-a entre os dentes e os lábios e mais para fora que para dentro da boca, usando os dentes para segurá-la na sua parte circular, de modo que consiga girá-la com os dedos, lembrando de sempre higienizar bem a rolha antes de sua utilização.
Exercícios de dicção:
  1. Bra, Bré, Bri, Bró, Bru.
  2. Bla, Blé, Bli, Bló, Blu.
  3. Cra, Cré, Cri, Cró, Cru.
  4. Cla, Clé, Cli, Cló, Clu.
  5. Dra, Dré, Dri, Dró, Dru.
  6. Dla, Dlé, Dli, Dló, Dlu.
  7. Fra, Fré, Fri, Fró, Fru.
  8. Bla, Blé, Bli, Bló, Blu.
  9. Gra, Gré, Gri, Gró, Gru.
  10. gla, Glé, Gli, Gló, Glu.
  11. Jra, Jré, Jri, Jró, Jru.
  12. Jla, Jlé, Jli, Jló, Jlu.
  13. Mra, Mré, Mri, Mró, Mru.
  14. Mla, Mlé, Mli, Mló, Mlu.
  15. Nra, Nré, Nri, Nró, Nru.
  16. Nla, Nlé, Nli, Nló, Nlu.
  17. Pra, Pré, Pri, Pró, pru.
  18. Pla, Plé, Pli, Pló, Plu.
  19. Sra, Sré, Sri, Sró, Sru.
  20. Sla, Slé, Sli, Sló, Slu.
  21. Tra, Tré, Tri, Tró, Tru.
  22. Tla, Tlé, Tli, Tló, Tlu.
  23. Vra, Vré, Vri, Vró, Vru.
  24. Vla, Vlé, Vli, Vló, Vlu.
  25. Xra, Xré, Xri, Xró, Xru.
  26. Xla, Xlé, Xli, Xló, Xlu.
  27. Zra, Zré, Zri, Zró, Zru.
  28. Zla, Zlé, Zli, Zló, Zlu.
Você também pode fazer combinações entre os vários encontros consonantais que forçam a pronúncia dos Erres, e depois, entre os vários encontros consonantais que forçam a pronúncia dos Eles.
uma Boa técnica de respiração, Também ajuda em muito para uma boa locução, por isso vou indicar o mais básico dos exercícios: 
Sente confortavelmente em algum lugar, ou fique de pé (conforme o que for mais agradável para você), inspire uma quantidade mediana de ar pelo nariz, procurando não estufar a barriga, mas sim, fazer a sustentação usando a força do próprio diafragma (músculo cujo movimento possibilita a nossa respiraç´ão) e solte lentamente o ar pela boca, sem grandes estrepulias para isso.
Exercícios de relaxamento e de alongamento (principalmente para os músculos do pescoço) também são bastante benéficos para um locutor, tanto na sua fase de preparação, quanto pela sua vida a fora.
Quando estudei locução, aprendi com o meu professor e grande amigo Pedro Barreto,nos muitos laboratórios de teatro que fazíamos: nosso corpo conta com dois pontos de ressonância durante a fala;
O de cabeça, que era largamente usado pelos arautos e matraqueiros, e hoje é mais comumente usado por cantores e pessoas que precisam projetar a voz sem ajuda de microfone, em ambientes relativamente grandes, o que é o caso dos profissionais do teatro, técnica essa, que os professores poderiam usar para falar com tranquilidade, sem danificar suas cordas vocais (situação que, infelizmente, acontece com certa freqüência entre os docentes pelo mundo a fora, inclusive aqui no Brasil).
E o de peito, que repercute na caixa toráxica e é usado por profissionais que possam contar com o auxílio de um microfone para a amplificação de sua voz.
Cada consistência corpória possui um comportamento quanto a ressonância da voz, muito embora alguns exercícios e técnicas bem aplicadas, possam ajudar num melhor aproveitamento da estrutura corporal peculiar a cada indivíduo.
Se você eventualmente já teve a oportunidade de assistir um ator de grande experiência numa novela ou filme e esse mesmo ator num teatro, vai perceber que na televisão, via de regra, sua voz é mais encorpada e grave, porque ela está repercutindo em seu peito; já no teatro, ela tende a ficar levemente mais aguda, fazendo com que o dono da voz use de uma técnica especial para manter a sua empostação vocal. E isso é perfeitamente possível de se fazer sem causar danos a esse fantástico instrumento com que a natureza nos presenteou.
Para qualquer pessoa, ler é sempre bom, porque ajuda na melhoria da cultura como um todo, mas, para os profissionais da voz, é uma tarefa que se faz fundamental, principalmente a leitura de textos em voz alta.
Mesmo quando entra num estúdio para gravar, o locutor deve ter tomado a precaução de fazer pelo menos uma leitura antecipada do texto, em voz alta, para que ele possa tomar uma primeira intimidade com o que vai ler.
Caso se sinta mais seguro, nessa pré-leitura, o locutor pode sublinhar os pontos do texto que ele considerar carecerem de maior ênfase na leitura para torná-los mais inteligíveis a seus ouvintes.
Um texto escrito, busca reproduzir através de símbolos a fala corrente no dia a dia das pessoas comuns. Assim?
  • A vírgula, provoca um tom preciso de continuidade; marca uma pausa de pouca duração; serve para separar ítens de uma mesma frase.
  • O ponto e vírgula dá para uma fala, um final com espectativa de continuidade, separando as frases sem isolar as sentenças.
  • A reticências é uma interrupção por vontade própria do locutor, deixando uma frase ao meio (no ar) para causar suspense em seus ouvintes, ou provocada por algum motivo externo.
  • A interrogação representa uma pergunta direta, mesmo que esta não careça de uma resposta.
  • O ponto de exclamação representa o fim de uma sentença de forma exclamativa, que pode exprimir qualquer sentimento, de acordo com a interpretação do texto a ser lido. Também pode dar vida para uma interjeição
  • Os dois pontos indicam um exemplo, uma citação, um esclarecimento, uma enumeração de vários ítens.
O locutor deve estar atento às indicações do próprio texto: Quando, onde, porque, o que, como, quem, para que sua leitura passe a ser uma conversa com seus ouvintes.
Um texto Bem construído (segundo opnião de qualquer pessoa que saiba um pouquinho de português), deverá ter um começo, meio, e fim.
Porém, eu aprendi algo que aplico no meu dia a dia e que considero bem mais eficiente para uma boa interpretação de um texto por um locutor, em que o texto passa a ser dividido em 4 partes:
  • Uma manchete, que é uma síntese do conteúdo a ser interpretado e ocupa em média 10% do texto.
  • Uma apresentação, que ocupa de 10 a 20% do texto, fazendo exatamente isso, uma apresentação do assunto ou produto sobre o qual trata o texto.
  • Um relato, que é o desenvolvimento do conteúdo que foi apresentado
  • E uma conclusão, que, por si só, já diz tudo, ocupando de 10 a 20% do texto.
    Um locutor precisa conhecer também a gramática portuguêsa, porque num texto mais interpretado, ele poderá contar com uma análise das figuras de retórica: metáforas, prosopopéias, metonímias, eufemismos, entre tantas outras figuras, que muito poderão auxiliar numa boa leitura interpretativa de um texto, sem falar que, na maioria das rádios de pequeno porte, o locutor tem que fazer de tudo um pouco, inclusive trabalhar também na criação de textos, caso em que ele vai precisar ter um mínimo conhecimento da nossa língua materna para desempenhar condizentemente suas funções.
    Na criação de um texto comercial, cada 420 caracteres (dispostos em linhas de 70 caracteres cada, para serem faladas em 5 segundos) equivalem a aproximadamente 30 segundos de leitura numa velocidade não muito corrida (até porque, numa leitura rápida demais, na maioria dos casos, perde-se quase que por completo, o poder interpretativo do locutor).
    Eu não vou poder ir muito a fundo nessas dicas de interpretação, além de algumas diquinhas básicas, porém vou procurar ser o mais eficiente possível.
    Você pode pegar a expressão “bom dia”, para dizê-la em vários senttidos: Com desdém, com medo, com raiva, com alegria, com tristeza, entre tantas outras possibilidades.
    O mesmo pode ser feito com a palavra bombom, com a palavra cerveja, em fim, com qualquer substantivo da nossa língua; reúna seu grupo e não tenha medo de ousar e experimentar.
    Depois, comece com pequenas frases, promova diálogos (inicialmente com dois participantes) entre seus colegas.
    Na maioria das línguas, uma mesma palavra pode ter significados vários, de acordo com o sentido que ela carregue nas entrelinhas, ao ser pronunciada por um locutor bem preparado, ou num diálogo espontâneo entre duas ou mais pessoas do povo, porém, todas as palavras podem exprimir diversas idéias ao bel prazer de um bom comunicador; e isso fica muito mais evidente quando o ouvinte não conta com imagens (caso mais específico da comunicação através das ondas do Rádio), ficando esse ouvinte a mercê de sua imaginação e da criatividade interpretativa do locutor.
    Um outro laboratório bem interessante, consiste em se pegar um texto qualquer (de preferência uma crônica ou um conto), e fazer uma leitura interpretada dele, procurando dizer cada frase numa posição. Então você diz (trechos de um dos contos que escrevi):
    • (em pé) – Ao rasgar de uma cartela de fichas telefônicas, esta manhã, não pude deixar de me lembrar do primo Caco.
    • (Sentado) – O primo caco não foge à luta, e não recusa uma vantagem, por mais pequena que esta se lhe apresente.
    • (encostado à parede) – Filosofias à parte, eu vou contar porque ele se fez lembrar esta manhã.
        Agora, experimente diminuir as falas para mudar de posição, aproveitando os recursos que o texto oferece:
        (com a mão erguida) – Ao rasgar de uma cartela de fichas telefônicas, (quando?)
      • (baixe a mão) – esta manhã, (o que aconteceu?)
      • (afaste as pernas) – não pude deixar de lembrar do primo Caco.
          Claro que, numa locução, você não poderá fazer movimentos muito expansivos, mas sempre poderá mexer um pé, (ou o dedão do pé), uma mão, um dedo, etc…
          Alguns locutores, também, ao interpretarem um texto, se utilizam de memórias passadas, pensando por exemplo, numa cerveja bem gelada, quando precisam falar de um chocolate, para transmitir pela voz, uma sensação de coisa gostosa, mas não é sempre que isso funciona bem.
          Como já disse lá em cima, ser locutor tem que ser um projeto de vida, e, com certeza, ao longo do tempo, você mesmo perceberá as diferenças, conforme for evoluindo. Sendo assim, trabalhe bastante, e, se possível, procure ajuda de um profissional capacitado para lhe acompanhar nessa caminhada, porque, para tornar-se um locutor de sucesso, não basta ter voz grossa e aveludada – é preciso além de tudo, ter por trás dessa voz, uma história de vida para contar histórias.

JOVENS TARDES DE DOMINGO