sexta-feira, 24 de maio de 2013

EXERCICIO DE DICÇÃO

Melhorando a Locução com Trava-Línguas

Conheça aqui alguns trava-línguas que muito podem ajudar na melhoria da fala, o que é muito necessário para profissionais que dependam do microfone para sobreviver, ou que façam dele o seu robe preferido.
principalmente para locutores amadores de rádios comunitárias ou vídeos caseiros, que estejam treinando sem o acompanhamento de um profissional qualificado para esse fim, o ideal é que todo o exercício seja feito em ggrupo, e se possível, diante de um espelho, para que uns possam corrigir os outros e evitar certos exageros e posturas incorretas, o que pode prejudicar ao invés de melhorar o jeito de se falar, chegando-se ao ponto de alguns exercícios mal feitos causarem danos irreparáveis ao aparelho fonador.
gravar os exercícios com um gravador qualquer, também pode ajudar bastante na correção de eventuais exageros.
Os trava-línguas fazem parte do nosso folclore, e sofrem variações conforme os costumes de cada região, tendo eu desde criança me defrontado com eles, quando os mais velhos mandavam falar aquelas coisas difíceis, para depois se rirem da nossa atrapalhação.
São conjuntos de palavras que privilegiam encontros consonantais dificultosos de se falar, que podem servir muito bem para se melhorar a dicção, ajudando também a tornar mais clara a fala de locutores profissionais, ou mesmo locutores amadores de rádios comunitárias e vídeos caseiros, e servem para qualquer pessoa que busque um aprimoramento vocal.
Eles devem ser falados com boa articulação, e nem precisa ser assim tão rápido, mas há que ser bem ritmado.
Alguns instrutores indicam para que esses exercícios sejam feitos mordendo-se uma caneta ou um lápis, mas eu ainda prefiro fazê-los com uma rolha de garrafa de vinho, o que obriga a uma abertura bem maior da boca. Ela deve ficar com a parte circular entre os dentes e os lábios (observe que, para que ela esteja na posição correta, você deverá conseguir girá-la com os dedos, sem precisar tirá-la de entre os dentes e os lábios, ficando esta, mais para fora que para dentro da boca) e não deve ser exatamente mordida, mas os dentes deverão tão somente segurá-la para que não caia, enquanto você tenta articular, e ela deve estar muito bem higienizada antes da sua utilização.

Eu fiz muito desses exercícios quando pensava em ser locutor e recolhi alguns desses trava-línguas nos cursos de locução que fiz com o professor Nilson Rosa (a quem serei eternamente grato pelas minhas primeiras lições de locução).
  1. Bóia a bóia, o Bebê. Bóia o boi babá. Baba o bobo babão. Bumba o bumbo, bumbá.

  2. O blusão blasona para a blusa e a luva – e a blusa aplaude com blandície a blasonada.

  3. Branca branqueia as cabras brabas nas barbas das broacas e bruxas branquejantes.

  4. Brito britou brincos de brilhantes, brincando de britador.

  5. Quem a paca caro compra, cara paca comprará!

  6. Ciência sem sucesso – senso sem sensação – sacia a soncice e sessa a sensação.

  7. Chamando-se o Xá de camaço inchado, o xeique lhe dá um cha de camaça.

  8. No quarto do Crato eu cato quatro cravos cravados no crânio da caveira do craveiro>

  9. Duende dandão, dedo dói! De dia, duende, dedo dói.

  10. O doce de batata-doce perguntou para o doce de batata-doce: qual o doce de batata-doce mais doce que o doce de batata-doce? e o doce de batata-doce respondeu para o doce de batata-doce que o doce de batata-doce mais doce que o doce de batata-doce, é o doce de batata-doce.

  11. A hidra, a dríade e o dragão ladrões do dromedário do druida foram apedrejados .

  12. Um feio fuão fanfá enfia o fio afim. E faia o fio ó! fuão, faia o fio ao faiam.

  13. A flâmula flexível no florete do flibusteiro flutuava fluorescente na floresta de flandres.

  14. Fraga deflagra um drible, franco franqueia o campo, o povo se inflama e enfrenta o preclaro juri, que declara grave o problema.

  15. Franquia-se o frango frito frio, frigurificado à francesa, no frigorífico do frade.

  16. Gato escondido com rabo de fora, tá mais escondido que rabo escondido com gato de fora.

  17. Gaia o guingó ganguê – guia o ganga gangão – gaia o ganguê guingó! – guinga e guinga e guião.

  18. O gato cruel cravou as garras no cangote do camundongo que comia crosta de cará na cumbuca quebrada. O cão que cochilava acordou com o conflito e correu com o gato .

  19. O grude da gruta gruda a grua da gringa que grita, e, gritando, grimpa a grade da grota grandiosa.

  20. No mar dos sargaços um ganço sagaz se soma de manço às garças do mar.

  21. Jaboticabeira pequenina, quando te despequeninajaboticabeirarizarás tu? Eu me despeqeninajabuticabeirarizarei ao se despequeninajabuticaberarizarem todas as pequeninas jaboticabeiras ainda não despequeninajaboticabeirarizadas.

  22. Jararaca é é carajá – jaca cara é jacaré.

  23. A loa lilia lia. Um lóio a Loa lê. Ao léu a lua alia. Lula, lalau, lauê.

  24. Lanço o laço no salão – o lenço laço e a lança não.

  25. Malha o milho! – molha a malha! uma milha! olha a ilha!

  26. A laca aplacadora aplaca a dor da placa que a laca aplacou.

  27. O lavrador é livre na palavra e na lavra, mas não pode ler o livro que o livreiro quer vender.

  28. O lavrador lavrense estudou as livrilhas e as lavrascas no livro do livreiro de lavras .

  29. Plana o planador em pleno céu e, planando por cima do platô, contempla as plantas plantadas na plataforma do plantador.

  30. Mamãe mima o mimo. Meu momo é meão.

  31. Se a manga se gaba – não se gaba a mangaba – acaba-se a manga e se gaba a mangaba.

  32. Nona na noa – Nênia na nau – Nênia na nau – Nena na nana nina o nenê.

  33. Aninha aninha no ninho uma ninhada de anus. No ninho de anus se aninha a nona ninhada de Aninha.

  34. Num ninho de Mafagafos, há cinco mafagafinhos. Quém desmafagafizar os cinco mafagafinhos, bom desmafagafizador será.

  35. É hora de orar – na aurora dourada – e a dor duradoura não mais durará.

  36. os quebros e requebros do samba, quebram os quebrantos dos falsos sambistas.

  37. Trovas e trovões trovejam trocando quadros entre os trovadores esqüadrinhados nos quatro cantos.

  38. Pardal pardo, por que palras? Palro sempre e palrarei, porque sou o pardal, o palrador d´el-rei.

  39. Quando eu penso que tu pensas que eu não penso mais em ti – tal pensar me faz pensar que tu não pensas mais em mim.

  40. O pinto pia, a pipa pinga. Pinga pipa, o pinto pia. Pipa pinga. Quanto mais o pinto pia, mais a pipa pinga.

  41. Paulo Pereira Pinto Peixoto, Pobre pintor português, pinta perfeitamente portas, paredes e pias por parco preço, patrão.

  42. Disseram que na minha rua tem paralelepípedo feito de paralelogramos. Seis paralelogramos tem um paralelepípedo. Mil paralelepípedos tem uma paralelepipedovia. Uma paralelepipedovia tem mil paralelogramos. Então uma paralelepipedovia é uma paralelogramolândia?

  43. Na réplica a plebe pleiteia planos de pluralidade plausíveis na plataforma do diploma plenipotenciário

  44. Pedreiro da catedrau está aqui o padre Pedro? Qual Padre Pedro? O padre Pedro Piris Pisco Pascoal. Aqui na catedrau Tem três Padres Pedros Piris Piscos Pascoais. Como em outras catedrais.

  45. Se o Pedro é preto, O peito do Pedro é preto e o peito do pé do Pedro é preto.

  46. AS pedras pretas da pedreira de Pedro pedreiro são os pedregulhos com que Pedro apedrejou três pretas prenhes.

  47. A prataria da padaria está na pradaria prateando prados prateados.

  48. O prestedigitador prestativo e prestatário está prestes a prestar a prestedigitação prodigiosa e prestigiosa.

  49. Perlustrando patética petição produzida pela postulante, prevemos possibilidade para pervencê-la porquanto perecem pressupostos primários permissíveis para propugnar pelo presente pleito pois prejulgamos pugna pretárita perfeitíssima.

  50. quica a cuíca, a cueca caí – a cuíca é coco, quem quica, cai.

  51. Quero que o clero preclaro aclare o caso de clara e declare que tecla se engana no que clama e reclama.

  52. O desinquivincavacador das caravelarias desinquivincavacaria as cavidades que deveriam ser desinquivincavacadas.

  53. Esse quadro representa a esquadra da Guanabara.

  54. No tablado oblongo os emblemas das blusas das oblatas estavam obliterados pela neblina oblíqua.

  55. Iara amarra a arara rara, a rara arara de Araraquara.

  56. A rata roeu a rolha da garrafa da rainha.

  57. O rato roeu a roupa do rei de roma, o rato roeu a roupa do rei da rúcia, O rato roeu o rabo do rodovalho. O rato a roer roía. E a Rosa Rita Ramalho do rato a roer se ria!

  58. O original nunca se desoriginou e nem nunca se desoriginalizará.

  59. Olha o sapo dentro do saco, o saco com o sapo dentro, o sapo batendo papo e o papo soltando vento.

  60. A sábia não sabia que o sábio sabia que o sabiá sabia que o sábio não sabia que o sabiá não sabia que a sábia não sabia que o sabiá sabia assobiar.

  61. Sabendo o que sei e sabendo o que sabes e o que não sabes e o que não sabemos, ambos saberemos se somos sábios, sabidos ou simplesmente saberemos se somos sabedores.

  62. Por aquela serra acima, vai um velho seco e peco. Ó! seu velho seco e peco! Este sepo seco é seu?

  63. Na via nativa que ativa o navio Ventura, na nave venta a ventania.

  64. O rato Tom tenta tanto o gato – tentando o gato enganar – e o gato tentando tenta, o tentador gatanhar.

  65. Alô, o tatu táí? Não, o tatu num tá. Mas a mulher do tatu tando, é o mesmo que o tatu tá.

  66. tatu tauató – tatuetê -taí – tem tanto tatu, não tem tatuí.

  67. O tempo perguntou prô tempo, quanto tempo o tempo tem. O tempo respondeu prô tempo, que o tempo tem tanto tempo, quanto tempo o tempo tem.

  68. Quando toca a retreta na praça repleta, se cala o trambone se toca a trombeta.

  69. Um atleta atravessa o atlântico em busca da atlântida que viu num atlas.

  70. Eu tagarelaria; Tu tagarelarias; Ele tagarelaria; Nós tagarelaríamos; Vós tagarelaríeis; Eles tagarelariam.

  71. Três pratos de trigo para três tigres tristes.

  72. Não confunda ornitorrinco com otorrinolaringologista, ornitorrinco com ornitologista, ornitologista com otorrinolaringologista, porque ornitorrinco, é ornitorrinco, ornitologista, é ornitologista, e otorrinolaringologista é otorrinolaringologista.

  73. A ave voa vovó – vovó, a viúva vêm – viva a viúva: é uma uva – viva o vivo vai-e-vêm.

  74. Se o vai-e-vêm for e vier, o Vai-e-Vêm vai. Mas se o vai-e-vêm for e não vier, o vai-e-vêm não vai.

  75. No vaso vazio as zíneas não via, a vizinha um vaso de zíneas.

  76. Era uma vez um caçador furunfunfor, triunfunfor, misericuntor, que foi a caça furunfunfaça, triunfunfaça, misericuntaça e caçou um coelho furunfunfelho, triunfunfelho, misericuntelho… Então pegou o bicho furunfunficho, triunfunficho, misericunticho, e levou-o a uma velha furunfunfelha, triufunfelha, misericuntelha, e pediu: Velha furufunfelha, triufunfelha, misericuntelha, assa-me este coelho furufunfelho, triufunfelho, misericuntelho. pois não- disse a velha furufunfelha, triufunfelha, misericuntelha. e pegou o coelho furunfunfelho, triunfunfelho, misericuntelho e açou no forno furunfunforno, triufunforno, misericuntorno. Mas, tendo fome furunfunfome, triufunfome, misericuntome, comeu o açado furunfunfado, triufunfado, misericuntado. Quando veio o caçador furufunfor, triufunfor, misericuntor procurar o almoço furufunfoço, triufunfoço, misericuntoço, perguntou assim: Velha furufunfelha, triufunfelha, misericuntelha, onde está a minha caça furufunfaça, triufunfaça, misericuntaça? òh! Meu senhor furufunfor, triufunfor, misericuntor! Disse a velha furufunfelha, triufunfelha, misericuntelha comeu o gato furufunfato, triufunfato, misericuntato.

  77. Zé é, du caritibé, salamacuté, fifirififé, cadê a Aninha, inha, du caritibinha, salamacutinha, fifirififinha? Saiu com a Rute ute, du caritibute, salamacututue, fifirififute, visitar o João ão, du caritibão, salamacutão, fifirififão.

  78. Em asas azuis, zanza zonzó um zás – zanzam as asas – zum-zum-zum e zás.

Como disse acima, o importante não é a velocidade, mas o ritmo e a articulação com que são falados esses trava-línguas.
Sinta-se a vontade para qualquer comentário e, se quiser me enviar trava-línguas que eu não tenha incluído aqui, ficarei muito grato pela colaboração.

JOVENS TARDES DE DOMINGO